CONTRIBUAEnvie sugestões de temas, propostas e comentários.

Programação

18/11 às 19h – DEBATE Direito à cidade e a educação pública

Assista no Youtube: https://youtu.be/rYf8N2A8Oes

Os ideais de cidades mais equitativas e justas têm mobilizado historicamente movimentos sociais e academia na defesa da garantia dos direitos sociais para todos, sem nenhuma forma de discriminação de gênero, étnica, sexual e religiosa. Esses ideais centralizam as pautas do direito à cidade frente à estrutural desigualdade socioespacial brasileira. A pandemia do novo corona vírus “covid 19” expôs amplamente as desigualdades socioespaciais brasileira e as ampliou entre os segmentos mais desfavorecidos. A maioria dos atingidos pela covid 19 são os trabalhadores informais, desempregados, sem teto, moradores das áreas precárias, tanto das periferias como do centro, e sobretudo as mulheres e os negros historicamente inferiorizados na sociedade brasileira.
Somado a este contexto especialmente adverso em que nos encontramos – com a intensificação da agenda de privatização generalizada, extinção de direitos e recrudescimento da violência estatal que naturalmente as acompanha -, tem se operado por meio de mecanismos crescentemente complexos, de dissimulação da realidade e de generalização da desinformação e confusão especialmente direcionadas às pessoas de onde deve partir a resistência.
Esta mesa se propõe a discutir, portanto, quais são os caminhos (novos ou não) para a aliança fundamental entre os conhecimentos produzidos pela educação pública e a luta concreta das pessoas que têm resistido a essa reversão, na efetiva articulação entre conhecimento e prática em busca do direito à cidade. Centrado no urbano, o debate passará pela importância e urgência de se aprofundarem os elos entre a produção de conhecimento crítico efetivamente engajado com a transformação dos territórios e os repertórios e práticas das pessoas e movimentos que neles e por eles têm lutado nesse contexto especialmente difícil.


Luiz Kohara – Educador popular, secretário executivo  do Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos. Mestre em engenharia civil (Politécnica/USP), doutor em Arquitetura e Urbanismo (FAU/USP), com pós-doutorado nas áreas de sociologia urbana (USP) e habitação (UFABC).
Welita (FLM) – formada pela escola do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), em Ciências do Trabalho, Coordenadora do movimento de moradia e inclusão social, filiado à Frente de Luta por Moradia (FLM), coordena 4 ocupações  no centro de São Paulo, acompanha 35 cortiços, nos quais moram 480 famílias.
Paula Santoro – Arquiteta e urbanista, doutora em Habitat pela FAU USP com bolsa na Universidade Politécnica da Cataluña e professora de Planejamento Urbano do Departamento de Projeto da FAU USP. Atualmente coordena o projeto ObservaSP e Observatório de Remoções junto ao LabCidade FAU USP
Mediação: Vitor Inglez de Souza – Advogado do Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos, mestrando FAU USP, pesquisador NAPPLAC – Núcleo de Apoio à Pesquisa: Produção e Linguagem do Ambiente Construído

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *